Roberta Stella | Nutrição sem dieta


Deixe um comentário

Por que não é falta de força de vontade abandonar a dieta

Quando alguém abandona a dieta ou quer se justificar por ter deixado a restrição de lado, são comuns frases como “eu não tive força para resistir” ou “me faltou força de vontade para me manter na linha”. Um dos efeitos colaterais de qualquer restrição é sempre dar a sensação de que é uma falha da pessoa que deixou a dieta de lado e jamais mostrar que qualquer dieta está fadada a dar errada. Se tem alguma falha, ela é inerente à restrição alimentar ou à dieta.

Apesar do Homem estar na Terra há centenas de milhares de ano, uma característica não sofreu alteração até os dias de hoje: o corpo lança mão de todos os recursos para preservar a vida quando percebe que está em situação de risco. Vale lembrar que em qualquer restrição alimentar, o nosso organismo entende que não há disponibilidade de alimentos e, portanto, precisa usar recursos para que o corpo não definhe, não se desgaste excessivamente e, assim, ele preserva as funções vitais para manter-se vivo.

Isso explica o porquê da maioria das pessoas que fazem dieta recuperarem o peso. Simplesmente porque, Continuar lendo


Deixe um comentário

3 maneiras de cuidar da saúde sem precisar fazer dieta ou emagrecer

Emagrecer pode levar ao pensamento equivocado como sendo uma atitude de cuidado com a saúde. Apesar da maioria das pessoas ter o discurso de querer emagrecer por causa da saúde, o que se esconde são crenças construídas para chegar próximo a um padrão de beleza imposto culturalmente e aceito socialmente. Por exemplo, ter uma boa auto-estima sobrevive a qualquer forma de corpo, mas muita gente diz que quer emagrecer para melhorar a auto-estima o que seria uma justificativa de saúde e não de ideal de beleza para emagrecer.

Outros motivos falhos para emagrecer que são enumerados estão melhorar ou prevenir o colesterol alto, cuidar ou controlar a glicemia sanguínea e ter mais disposição física para fazer as atividades do dia a dia. Entretanto, para todas essas justificativas em defesa de emagrecer fazendo dieta há uma alternativa mais eficiente de atingir o objetivo Continuar lendo


Deixe um comentário

“Se é bom e gostoso, que mal tem?”

alimentos_superpoderesDetox, comida de verdade, receita fit, receita funcional, sem gluten, sem lactose, sem açúcar, sem conservantes, sem soja, sem leite. Ao comentar uma matéria e fazer algumas observações sobre esses tipos de alimento, deparei com a pergunta/reflexão: “se é bom e gostoso, que mal tem?”. Essa argumentação é muito simplista porque, apesar de concordar que a maioria desses alimentos não trazem prejuízo à saúde já que um alimento por si só não pode ser responsável por desenvolver uma doença ou, ainda, apesar de eu concordar que muitos deles são cheios de nutrientes importantes para a corpo – essas chamadas, comunicação, propaganda sem o respaldo da ciência, ou seja, sem o que chamamos de evidência científica (e abro parênteses para dizer que mostrar um artigo científico não significa que haja uma evidência científica suficientemente forte para relacionar os benefícios desses alimentos) podem levar a várias consequências:

1. Mudam a percepção de um alimento. Por exemplo: leite é um alimento típico de brasileiro, presente no café da manhã. Quem duvidar, basta ler o Guia Alimentar da População Brasileira. Sabemos que o leite é uma excelente fonte de cálcio e que a população brasileira já apresenta uma elevada prevalência de inadequação no consumo desse mineral. Passar a mensagem que alimentos e/ou receitas sem lactose são saudáveis (ou vice-versa) para uma população saudável beira a irresponsabilidade;

2. Relação com crenças, valores e desenvolvimento de mitos alimentares. Veículos de comunicação têm grande influência para mudar opiniões, construir crenças, valores e mitos relacionados aos alimentos;

3. Relação emocional com os alimentos. Condenar um nutriente ou alimento como o responsável pela má alimentação, estimular a restrição de nutriente ou alimento, propagar ideias e conceitos sem consenso leva à relação de culpa com os alimentos, à fissura alimentar e à transtornos alimentares;

4. Propaganda enganosa. Vender produtos e serviços que têm como apelo conceitos não embasados em evidências científicas é enganação, mentira e propaganda enganosa. Vale lembrar que nem tudo nessa vida tem evidência científica. Nesse caso, ficar atento ao conceito que está sendo vendido;

5. Acreditar que alimentos caros são melhores ou “mais saudáveis”. Todos clamam por mais “alimento de verdade” no dia a dia mas, tem muita gente (profissionais de saúde, blogueiras, empresas) vendendo alimentos industrializados e/ou com baixo valor nutricional e/ou caríssimos como sinônimo de saudável, além de comunicarem substituições de alimentos que podem ser inatingíveis para a maioria dos consumidores.

No meu pensar, muitos males têm ao se comunicar a alimentação de maneira distorcida, errada, com falta de embasamento, distorcendo conceitos. Todos que comunicam (e não precisam ser jornalistas para isso!), seja por meio de um rótulo de alimento ou usando a mídia (redes sociais, tv, rádio, revistas, jornais) precisam chamar para si a responsabilidade de educar (afinal, comunicar saúde é isso!) não abrindo mão da qualidade da informação. Se a comunicação é feita pela metade, a recepção da mensagem será distorcida.