Roberta Stella | Nutrição sem dieta


Deixe um comentário

Dieta e emagrecimento

A dieta dá uma certa segurança porque diz o que comer, mas a restrição fica insuportável.

Um peso alcançado com dieta é mantido com dieta. Dieta nunca termina, ela vem e vai.

Ao chegar no peso estipulado, retoma a forma como se alimentava anterior à restrição. Ganha alguns quilos, volta para a dieta.

Até o dia em que percebe que, para manter o peso que estipulou pensando naquele peso que iria ficar melhor esteticamente e que, também, “seria melhor para a saúde”; a restrição, o controle, o foco, o pensar obsessivo na comida, o sofrimento, a angústia são atitudes e sentimentos que a/o acompanharão por muito tempo.

O inferno está construído na cabeça: a dieta dá uma certa segurança porque diz o que comer, mas a restrição fica insuportável. Ao voltar a comer que leva ao ganho novamente de peso, vem a certeza de que comer se tornou algo complicado e pensa em voltar para a dieta que, pelo menos, diz o que tem que comer. Essas situações são repetidas, levando o corpo e a mente a padecer.

Mas algumas situações não foram consideradas:

1. se o peso é mantido por restrição, ele não é o peso natural do corpo. É necessário entender qual é o peso do corpo. Esse peso não é estipulado como meta, não é o que “eu quero ter” , mas o que o corpo precisa ter. O peso é do corpo e, não, da cabeça ou da mente ou do que mentalmente, baseado em fatores sociais e culturais, desejamos ter.

2. para entender esse peso natural, é fundamental parar, deixar de fazer dietas e iniciar um processo de entendimento do porquê comer se tornou algo tão complicado quando deveria ser tão natural e tranquilo.

3. a partir desse entendimento, começa a mudança: sair de um comer transtornado e disfuncional para o comer normal, natural, sem precisar usar tanto o racional, sem precisar pensar tanto em comida e no que comer.

Perceba, há uma alternativa para alcançar essa tranquilidade em relação à comida e ao corpo. Considere parar de fazer dieta e, para cuidar da sua alimentação de uma nova forma, busque ajuda e apoio de um nutricionista que não prescreve o que comer e não indica dietas. Por sinal, é assim que eu trabalho!


Deixe um comentário

Resenha | A tirania das dietas. Dois mil anos de luta contra o peso. Louise Foxcroft

Ler o livro A tirania das dietas foi, para mim, um misto de curiosidade, surpresa e desconforto.

Um corpo não é somente um corpo por mais que desejaríamos que assim fosse. Um corpo está inserido em uma sociedade que dita regras de convívio e os significados político e cultural que ele representa. Um corpo não diz somente sobre um indivíduo, mas ele pode representar o que é o coletivo em que ele está inserido.

A autora Louise Foxcroft escreve: “Nosso corpo não apenas é inevitável, mas também o que a sociedade diz sobre ele, e o que consideramos “natural”, na verdade, é socialmente construído“.

Historiadores, filósofos e médicos da Antiguidade como, Galeno, Sócrates e, claro, Hipócrates ditaram regras alimentares e, até, comportamentos compensatórios como, por exemplo, a indução do vômito ou uso de laxantes para combater o corpo gordo já que comer tinha relação com a moral e, na falta dela (ser gordo significava ser inferior moralmente), a sociedade sofreria. Portanto, o preconceito contra corpos grande e gordos tem raízes antigas e se acentua na era cirstã onde a abstinência e o jejum são glorificados e atalhos para a salvação. O corpo magro passa a ser considerado divino e, o corpo gordo, pecaminoso. Continuar lendo


Deixe um comentário

Cultura da dieta

É necessário falar sobre cultura da dieta para haver uma maior compreensão dos motivos que levam à decodificação ou interpretação de informações relacionadas à comida ou à maneira como nos alimentamos serem relacionados a aspectos morais da pessoa. Por que uma pessoa que se alimenta com restrições alimentares, comendo o que é julgado de certo ou saudável, é admirada, vista como uma pessoa de sucesso e exemplo a ser seguido? Ou, mesmo não sabendo sobre o hábito alimentar das pessoas, temos a imaginação de como elas se alimentam baseados somente na aparência física?

As interpretações morais da comida, representadas por alimento com ou ruim, estão relacionadas com o desenvolvimento de estereótipos e preconceitos do tamanho do corpo.

Os padrões que construímos na relação comida e moral tem como raiz diversos fatores como históricos, culturais, sociais e, até, Continuar lendo


Deixe um comentário

Por que não é falta de força de vontade abandonar a dieta

Quando alguém abandona a dieta ou quer se justificar por ter deixado a restrição de lado, são comuns frases como “eu não tive força para resistir” ou “me faltou força de vontade para me manter na linha”. Um dos efeitos colaterais de qualquer restrição é sempre dar a sensação de que é uma falha da pessoa que deixou a dieta de lado e jamais mostrar que qualquer dieta está fadada a dar errada. Se tem alguma falha, ela é inerente à restrição alimentar ou à dieta.

Apesar do Homem estar na Terra há centenas de milhares de ano, uma característica não sofreu alteração até os dias de hoje: o corpo lança mão de todos os recursos para preservar a vida quando percebe que está em situação de risco. Vale lembrar que em qualquer restrição alimentar, o nosso organismo entende que não há disponibilidade de alimentos e, portanto, precisa usar recursos para que o corpo não definhe, não se desgaste excessivamente e, assim, ele preserva as funções vitais para manter-se vivo.

Isso explica o porquê da maioria das pessoas que fazem dieta recuperarem o peso. Simplesmente porque, Continuar lendo


Deixe um comentário

3 maneiras de cuidar da saúde sem precisar fazer dieta ou emagrecer

Emagrecer pode levar ao pensamento equivocado como sendo uma atitude de cuidado com a saúde. Apesar da maioria das pessoas ter o discurso de querer emagrecer por causa da saúde, o que se esconde são crenças construídas para chegar próximo a um padrão de beleza imposto culturalmente e aceito socialmente. Por exemplo, ter uma boa auto-estima sobrevive a qualquer forma de corpo, mas muita gente diz que quer emagrecer para melhorar a auto-estima o que seria uma justificativa de saúde e não de ideal de beleza para emagrecer.

Outros motivos falhos para emagrecer que são enumerados estão melhorar ou prevenir o colesterol alto, cuidar ou controlar a glicemia sanguínea e ter mais disposição física para fazer as atividades do dia a dia. Entretanto, para todas essas justificativas em defesa de emagrecer fazendo dieta há uma alternativa mais eficiente de atingir o objetivo Continuar lendo